terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Atualização mensal sobre o IBOV - Janeiro 2018



No último dia 12 de dezembro de 2017, escrevi no blog que o IBOV estava preparando um forte movimento. Após um breve recuo de dois dias, de lá para cá, o IBOV subiu quase 10%. Uma bela onda de alta.

Para o curto prazo, espero um recuo nos preços, em virtude do estado sobrevendido do índice e dos principais ativos (mais de 10 dias consecutivos de alta). Outro ponto: vários ativos encontraram seus alvos imediatos.

Assim, um recuo até 77 / 78 mil pontos (topo rompido) ou até a média móvel de 21 períodos (e retração de 50% de Fibonacci) em 75 mil pontos poderá ocorrer a qualquer momento. Essa retração nos preços não mudará a tendência de alta do IBOV em todos os tempos gráficos – Bull Market.

Um fato que pode gerar bastante volatilidade em janeiro é o julgamento do Ex-Presidente Lula no TRF4 de Porto Alegre, marcado para o dia 24. A confirmação da condenação em segunda instância e, se acontecer, por três votos a zero, isso poderá impedir de vez a candidatura do Ex-Presidente, o que é muito bom para o mercado (e muito melhor para o país).

Em minha opinião parte do otimismo atual no IBOV é oriundo disso (uma antecipação do resultado favorável), além do bom cenário externo e da calmaria em Brasília (os políticos não estão atrapalhando).

A reforma da previdência que será discutida em fevereiro, por enquanto, não está nos preços. Aliás, a maioria dos operadores acha que a reforma é improvável em 2018. Contudo, se ela acontecer, mesmo que desidratada, a bolsa poderá ter um novo e forte impulso de alta.

Lembrando que o maior “driver” deste ano continua sendo a eleição presidencial. Um candidato pró-mercado, poderá acelerar os ganhos dos ativos de renda variável. IBOV acima de 100 mil pontos, quem sabe, já em 2018, será?

Resumindo:

Curto Prazo = provável correção.

Médio Prazo (próximos dois meses) = muita volatilidade. Notícias de Porto Alegre (janeiro) e Brasília (fevereiro / março) podem acelerar ou desacelerar o IBOV.

Longo Prazo. = continuo muito otimista com a economia brasileira e a vitória de um candidato pró-reformas. Nesse cenário, o céu é o limite. Apenas a vitória de um populista de esquerda poderá quebrar a recuperação econômica do país e derrubar o IBOV. 

MJR


Um comentário: